Apenas um lugar


O vento soprava lentamente emoldurando encima do banco lembranças do que vivi ali. 
A saudade já não era capaz de machucar tanto quanto da última vez 
e nem fazer o tempo voltar depressa com vontade de ficar.
As marcas da solidão ainda eram visíveis, enquanto uma unica lágrima, quase seca caia das folhas murchas que ainda insistiam em habitarem aquele lugar.
Entre o pouco silêncio dos meus pensamentos e dos galhos quase sem folhas que batiam uns contra os outros, as respostas chegavam mudas. Eu mal sabia onde estava, mal reconhecia o que via e pretendia não mais voltar, antes o meu refugio diário, agora apenas um lugar.
Onde as nuvens passavam rápidas com desejo de não parar, onde o sol aparece despercebido, onde tudo se é esquecido, até mesmo a forma de amar.

Comentários
10 Comentários

10 comentários:

  1. aaaaaaah que lindo >3 voce escreve demais menina.. podia começar investir em um livro hein?! haha, beijos

    ResponderExcluir
  2. Uau! Que lugar é esse, em? Nossa! Eu acho que reconheço. Aliás, fico confusa em distingui-lo, porque percebo tantos assim... que, realmente, traz uma nostalgia de coisas que não existem lá. Confesso que isso deixa minha cabeça confusa.
    Bom, Juh, mudando de assunto, tenho os selos 72 e 74 para ti :D espero que gostes.
    Beijos e boa semana.
    Com amor,
    |Cynthia|

    ResponderExcluir
  3. http://cynthiadayanne.blogspot.com/p/selos_07.html
    Ops. Tinha salvo a página de selos como rascunho. desculpa :s Ah, faço questão que leves o selo 75 :D

    beijinhos =*

    ResponderExcluir
  4. Lindo!!!
    Já tive um banco que poderia contar histórias longas a meu respeito e, um dia, virou somente saudade também.
    Adorei.

    ResponderExcluir
  5. Você TEM que ser escritora
    suas palavras se encaixam perfeitamente uma nas outras, fica perfeito sabe?
    adorei juli.
    http://garotasnasruas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Juh, tenho andado meio sumida por aqui não é?
    Os minutos estão escapando-me pelos dedos e a realidade às vezes me puxa só para ela, coitadinha, ela tão ciumenta, não quer me dividir com o mundo imaginário, esse ao qual pertencemos.
    Esse seu prolixo texto está tão bem escrito, que praticamente me transportou para aquele banco ali em fotografia. Às vezes coisas das quais um dia vivemos em dias que antes julgavamos inesquecíveis, hoje já nem são tão importantes assim.

    Tem selinhos para você aqui:
    http://jaynnesantos.blogspot.com/p/selos.html

    Espero que goste.
    Grande beijo;

    ResponderExcluir
  7. a cada dia você tem escrito com mais consitência e isso é muito bom JU. olha, outro dia vim aqui e vi a iniciativa do blog sobre o RS e gostei muito. SUCESSO com ele também!

    abraço apertado!

    ResponderExcluir
  8. TUAS PALAVRAS SEMPRE ME SURPREENDEM. LINDO DEMAIS.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem vindo.
Mas não esqueça, aceito suas palavras se você aceitar as minhas.

Att. Juliane Bastos


Designer por Juliane Bastos e Pâmella Ferracini exclusivamente aos 3 anos do blog.